Tuesday, May 30, 2006

Tempo de Gabiroba

© Nathan de Castro


Meus campos de pitangas, pássaros e flores
perderam-se nas grades frias dos arados.
Insetos e lagartos, sem os seus amores,
morreram nos entulhos do solo adubado.

Das hastes e pendões do milho verde assado,
nas tardes de pamonha e mil e um sabores,
ficaram cafezais, pastagens para o gado
e enormes plantações de soja e desamores.

Tempo de gabiroba e de fechar porteiras,
passando por debaixo das cercas de arame,
depois catar picão na roupa e na saudade.

Asas de borboleta e as sombras das paineiras
ficaram na colméia de sonhos, no enxame
das letras e varandas dos meus fins de tarde.


2 Comments:

Anonymous Anonymous said...

Your website has a useful information for beginners like me.
»

June 27, 2006 10:24 AM  
Anonymous Anonymous said...

Very pretty site! Keep working. thnx!
»

July 17, 2006 7:51 PM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home