Friday, June 30, 2006

Soneto de Sexta-Feira

© Nathan de Castro


Um verso de silêncio me acompanha
nos palcos estrelados das saudades
e a voz da tempestade que se assanha,
é a voz que a noite agita na cidade.

Voz de néon na esquina que me arranha
o peito de cimento e falsidades,
onde um poeta pisa e sempre estranha,
pois sabe o chão da sua identidade.

Os paralelepípedos das ruas
conhecem as passadas do poeta
descendo as entrelinhas da ladeira...

Num passo para frente colhe duas
palavras esquecidas na sarjeta,
e rima o amor e a dor da sexta-feira.

0 Comments:

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home