Tuesday, May 30, 2006

Soneto Desafinado

© Nathan de Castro


O meu poema é música sem partituras,
rabeca troncha e sonsa de uma nota só.
Paixão que bebe a doce clave das loucuras
nas batutas do amor, poeira, pedra e pó.


O meu poema é mote de enganar agruras,
jazz que me envolve em tela azul de rococó.
Pincel, paleta e marcas de velhas cesuras
no corpo de sonetos que amarro e dou nó.


Silêncio de relâmpago e luas desertas,
luares e palavras de aluar pateta,
para cumprir a sina: poeta ou poeta!


Sigo pelos caminhos de portas abertas,
rasgando a solidão da palavra concreta,
desafinando a orquestra e a ponta da caneta.

2 Comments:

Anonymous Anonymous said...

What a great site, how do you build such a cool site, its excellent.
»

July 01, 2006 3:08 AM  
Anonymous Anonymous said...

Greets to the webmaster of this wonderful site. Keep working. Thank you.
»

July 17, 2006 7:51 PM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home