Sunday, June 11, 2006

Conversando com Paralelepípedos

© Nathan de Castro


Somente o meu poema me retrata
e mostra esta minh'alma dissecada.
No peito, o passo triste, sem pegada,
nas mãos, a noite clara que maltrata.

Lá fora o vento é frio e me intimida.
Sorrio e escondo a voz em uma esquina.
Falar de amor é flor que não combina
co's muros e os asfaltos desta vida.

Tropeço luas, vou juntando versos
nestas calçadas, ruas e avenidas.
Com paralelepípedos converso

e conto histórias velhas, desgastadas.
Como eles não reclamam das mentiras,
o peito sonha e canto as madrugadas.

7 Comments:

Anonymous Ana Carla said...

Oiee, Nathan...
show de bola!
vir aqui é um refresco pr'alma...
fiquei curiosa:
dessecada (sem água, ressecada)
ou dissecada (exposta, aberta)???

responda, poeta

beijo

June 11, 2006 10:55 AM  
Anonymous rosa pena said...

NATHANZINHO..vc foi além do Drummond ..ele contava pedras.. eu na minha última prosa conto paralalepípidos.. mas você meu querido conversa com eles..
UAU! Amei!
beijos
rosa..
"Tropeço luas, vou juntando versos
nestas calçadas, ruas e avenidas.
Com paralelepípedos converso"

June 12, 2006 11:45 AM  
Blogger Vicente said...

This comment has been removed by a blog administrator.

June 13, 2006 10:59 PM  
Blogger Vicente said...

This comment has been removed by a blog administrator.

June 14, 2006 3:50 PM  
Anonymous Dr. Flintstone said...

IMPORTANTÍSSIMO:
O preocupante Caso Rosa Pena!

June 14, 2006 6:28 PM  
Blogger Vicente said...

This comment has been removed by a blog administrator.

June 16, 2006 12:12 AM  
Anonymous MIRLES ROCHA VALLE said...

SOLIDÃO
DE MIRLES R. VALLE

TEM UM VAZIO ENORME AQUI
SINTO-ME OCA DE TUDO O QUE EXISTE
NADA PREENCHE, NEM TODOS QUE EU VI
É UMA SOLIDÃO QUE A TUDO RESISTE.

RESISTE A TUDO QUE É VENTO
QUE SOPRA FORTE E VAI VARRENDO
MESMO QUE PASSE MUITO TEMPO
MESMO COM TUDO ACONTECENDO.

MOMENTOS PASSADOS RELEMBRADOS
QUE TODOS JUNTOS TENTAM REVIVER
O ENCANTO DO TEMPO DE ENAMORADOS
AS PALAVRAS BOBAS A SE DIZER.

CONTUDONADA PREENCHE ESSE VÃO
ESSA LACUNA QUE SE DIZ SOLIDÃO
SINTO UMA AMARGURA NO CORAÇÃO
SINTO UMA LÁGRIMA DE EMOÇÃO.

O PORQUÊ DISSO, EU QUERIA ENTENDER
NA VERDADE ACHO QUE , SEI BEM
O QUE É, QUE VIVE A ME ABORRECER
É O QUE EU QUERIA TER, MAS ESTOU SEM.

TENTO ACREDITAR SER NATURAL
MAS EU NÃO POSSO MENTIR
QUE O QUE EU SINTO É DE TODO NORMAL
MAS QUE EU NÃO SEI, COMO REAGIR.

June 18, 2006 9:40 AM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home