Sunday, July 09, 2006

Uma Noite Qualquer Sem Estrelas...



© Lílian Maial


As noites borradas do inverno
não permitem ver as estrelas.
Vem um silêncio de brilhos,
um cheiro de céu desolado.

E então chega a dor,
a lágrima efervescente,
vontade de lembrar o que não foi vivido.
Ânsia de nunca ter morrido.

Escorre e corrói,
não poupa os dias,
as manhãs frescas de sol,
os passeios de brisa no rosto.

As noites nubladas de inverno
não dão guarida aos que sobram.
Implacável rajada de espera,
de um tempo que falta pouco.

E então vem a certeza,
a paz imposta do deserto,
o desembainhar de olhares empoeirados,
a seca de devaneios.

Árida é a madrugada sem ópio.
Em outras estações,
um sopro de promessa ainda embala o engano.

Nada mais triste que uma noite sem estrelas...

5 Comments:

Blogger L. D. Stanley said...

Great Site Love the Music.
Http://WWW.vinnosplace2.com

July 09, 2006 4:23 PM  
Blogger L. D. Stanley said...

Great Site, Love the Music.
http://www.vinnosplace2.com

July 09, 2006 4:24 PM  
Anonymous Lurana said...

gostei desse poema, apesar d ser meio triste eh mto lindo....boa semana pra vc....

July 09, 2006 7:25 PM  
Anonymous Mônica said...

Lilian,
Que lindo!!!

/:o)
Beijinhos

July 09, 2006 9:36 PM  
Blogger keninha said...

Amei, amei, amei....como todos os outros este tbm é perfeito...lindo...
bjokinhasssssss

July 10, 2006 5:34 AM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home