Friday, December 01, 2006

Amor à Beira-mar


© Nathan de Castro


Preciso sussurrar aos teus ouvidos,
dizer-te um calhamaço de besteiras
e ouvir de volta os beijos e os sonidos
da rouca voz de línguas feiticeiras.

Preciso amar-te sem eiras nem beiras,
rasgar tua roupa e, em rimas de tecidos,
prender-te à minha pele... Prisioneiras:
a Estrela, a Lua e as contas dos sentidos!

Essa distância é triste e os azulejos
tão frios não comportam a poesia,
que acende, a cada noite, a fantasia...

Os lábios pedem sonhos sertanejos,
mas nada pode os versos e os desejos:
o amor também é areia e maresia!

3 Comments:

Blogger Lílian Maial said...

Que lindo soneto, Nathan!
E ao som dessa música (daquele filme "Em Algum Lugar do Passado"), dá um tom certo de tristeza e saudade.
A - D - O - R - E - I !!!
beijos,
Maial

December 02, 2006 3:36 AM  
Blogger Livre Expressão da Lucilaine said...

Quanta paixão nestes versos Nathan!
Amei... lindo demais.

December 02, 2006 5:59 AM  
Blogger NaldoVelho said...

O que eu gosto em teus sonetos é que eles fogem ao lugar comum, são bem construídos e cheios de lirismo.

Valeu amigo!

naldo

December 05, 2006 4:32 PM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home