Monday, June 11, 2007

A Dona


© Nathan de Castro


A dona da poesia que me habita
tem os olhos de estrelas de primeira
grandeza, o brilho e o encanto da fogueira,
quando a canção, do amor maior, gravita.

A dona da poesia é a feiticeira,
mulher de mil cenários, senhorita
dos sonhos de luares e a pepita
maior que pode o olhar da cachoeira.

A dona da poesia tem na boca
as marcas da paixão que ora declamo
e o beijo que me ensina o amor cigano.

A dona da poesia me provoca,
navega pelos rios que derramo,
mas não esquece as rimas do oceano.

5 Comments:

Blogger Giselle said...

bellissimo!!!

un bacio

Giselle

June 11, 2007 4:20 PM  
Blogger Giselle said...

...acho que venho só para descobrir se enfim, o amor verdadeiro chegou para ti...e no espaço que percorro, neste espontâneo sentir, o pudor de resguardar o que me atrai é tudo o que me acompanha até aqui...

Giselle

June 13, 2007 4:56 AM  
Blogger Gregor said...

Nathan de Castro foi um achado, na Internet. Seu lirismo possui uma força impressionante, que me instiga a escrever. Postado em minha comunidade do Orkut, por uma amiga que o conheceu pela internet, despertou-me o vivo interesse de quem respira e escreve poesia...
Gostaria de saber como adquirir seu livro em Porto Alegre.

June 16, 2007 6:57 PM  
Anonymous Rodrigo said...

Oi, achei teu blog pelo google tá bem interessante gostei desse post. Quando der dá uma passada pelo meu blog, é sobre camisetas personalizadas, mostra passo a passo como criar uma camiseta personalizada bem maneira. Até mais.

June 25, 2007 8:59 PM  
Blogger RitaCosta said...

Maravilhoso esse soneto Nathan.
Faz tempo que leio seus poemas no Orkut e como seu blog esta em meus favoritos, resolvi hj passar por aqui e comentar.
Parabéns poeta! Gostei de tudo que li.
Um abraço!

June 29, 2007 10:26 AM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home