Monday, April 02, 2007

Os Meus Sonhos ( ou, 1º de abril )


© Nathan de Castro


Os meus sonhos são poucos, como pouco é o tempo
para o verbo amar.
Os meus sonhos têm olhos que pervagam o infinito,
na busca pelo verso perdido entre as estrelas.
Sei pássaros multicoloridos, rochedos,
ondas, areia e o definitivo azul do mar.
Os meus sonhos caminham por montanhas, desertos,
serrados, bailam num luar de prata polida pelos
lábios da paixão, vestem trajes de poesia e caminham
de mãos dadas com as cores das estações, clamando
por amores verdadeiros e pelos lábios dos haicais!

Primeiro de abril...
O outono dita o poema
no canto do bem-te-vi.

Os meus sonhos são livres. Eu trago algemas,
tristezas morenas, saudades pequenas e essa coisa
da mágica triste, a cada despertar.
Da minha janela,um céu rubro chama o dia...
Carícias de abril.
Os meus sonhos têm os olhos de outono e precisam de delírios.
Dêem-me delírios e lhes entrego todos os meus versos!

Delírios, delírios...
As quaresmeiras exalam
o perfume roxo.

Dêem-me perfumes e lhes entrego todos os meus sonhos!

Todos os perfumes:
folhas secas pelo chão...
Aquarela de sonhos.

Dêem-me folhas secas e eu planto um novo sonho para
a próxima estação, ou rabisco outro poema pobre, como
pobre é essa saudade tola que me estende a mão.

1 Comments:

Blogger Lucilaine said...

Nathan,
Compartilho com você de sentimentos tão belos e a saudade tola é uma delas. Cá longe tem alguém que compreende seus versos e o admira muito... Lindo poema!!!
Lu

April 08, 2007 8:32 AM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home