Tuesday, April 17, 2007

Penas de Poesia


© Nathan de Castro

Não gosto de poucas palavras.
Sou a essência dos excessos.
Não reconheço a paixão sem a explosão dos beijos.
Vez por outra, acredito em atração fatal.
Eu, que já morri de amor por tantas vezes, às vezes,
penso que o amor é coisa de outro mundo.
Disseram-me que paixão é pecado: luxúria.
Não existe perdão para um poeta!
Somente a anistia para os versos de gaveta.
O amanhã?... Quem sabe, outro poema?
Palavras, palavras, palavras! A madrugada é nossa
e veste os trajes das flores de abril.
As noites de outono me dizem tantas letras que penso
que todos os versos só brotam na estação
de folhas secas.
O amanhã guarda o silêncio das canções.
Poesia?... Sim.
Amanheceu novo dia.
Lá fora os pássaros voam num bailado feliz de poesia.
Trinados, trinados, trinados!
Meus pássaros têm somente penas de poesia.

Palavras, palavras, palavras!

2 Comments:

Blogger Livre Expressão da Lucilaine said...

Morrer de amor e renascer com poesia!!! Palavras, palavras, palavras e por sinal belíssimas palavras!!

Beijo,
Lu

May 20, 2007 6:32 PM  
Blogger en¬eio said...

Que lindo poema!

October 26, 2008 5:54 AM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home