Friday, July 13, 2007

O Quinto Elemento


© Nathan de Castro


A poesia não precisa das mãos do poeta,
não precisa dos tons azuis das aquarelas.
A poesia precisa do olhar da natureza
e dos pincéis beijando a saliva do pintor.
A poesia tem coisa de coisas estranhas:
pigmentos de luas, caminhos, sombras
e boninas nos canteiros perdidos no tempo.
A poesia tem o encanto do solstício,
as pelejas de uns cantos serenos
e pequenos detalhes que saltam ao vento.
Poesia é a luz de um lago para peixes,
uma fila de formigas cortadeiras,
riachos e cachoeiras que não explicam
o significado e as canções das coisas.
A poesia é o quinto elemento.
Mistério que envolve galáxias e planta
palavras e sonhos no peito dos poetas.

3 Comments:

Anonymous Edson Marques said...

Gostei do teu "Quinto elemento".


Se você não encontrar razões para ser livre, invente-as.


Abraços, flores, estrelas..


.

July 14, 2007 5:12 AM  
Blogger Andrea Cabral, a Moça dos Ventos said...

É muito emocionante!!! Lindo!!!
Agradeço agradeço agradeço!
axé!

July 27, 2007 6:44 AM  
Blogger Andrea Cabral, a Moça dos Ventos said...

Este é um dos poemas que mais gostei na vida! beijo

August 31, 2007 11:40 AM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home