Tuesday, May 13, 2008

Meus Pássaros

© Nathan de Castro

Sempre tive um encanto estranho pelos pássaros.
Na juventude, tinha muitas gaiolas com diversas
espécimes: pintassilgos, curiós, pássaros-pretos,
canários-do-reino, sanhaços, canários belgas, e
um pintagol, resultado do cruzamento de um belga
com pintassilgo. O único que nasceu em cativeiro.
De todos, era o cantor mais afinado, o mais feliz,
o que mais gostava de carinhos.
Era o xodó de meu pai.
Eu gostava mais dos pássaros-pretos e até dei-lhes
nomes: Al Capone e Xodó, sua companheira...
Nomes de músicas de sucesso na época.
Certo dia, uma gata conseguiu subir em uma das
gaiolas e... Lá se foi o meu sanhaço.
Nesse dia eu aprendi a liberdade.
Abri todas as portas das gaiolas, exceto a do
pintagol. O cantor mais afinado e o mais feliz, não
conseguiria sobreviver em liberdade.
Sequer sabia voar!... Mesmo que soubesse, o meu
pai não deixaria. Cuidava da avezinha com o maior
carinho.
Xodó se foi...
Al Capone saia da gaiola, bem cedinho, fazia o café da
manhã na mesa da cozinha, comendo migalhas de
pão, depois voava para a mangueira no quintal e cantava
feliz. À noite voltava para a gaiola...
E foi assim, por alguns meses, até que um dia, um bando
de pássaros-pretos pousou na mangueira... E lá se foi
Al Capone, provavelmente, com uma nova companheira.

2 Comments:

Blogger malmal said...

Vim te ler, porque tive saude e descobri que Nathan escreve prosa, poética..

bijo

June 07, 2008 4:10 PM  
Anonymous Lílian Maial said...

Não só por pássaros, mas por peixes também. Notadamente os que sorriem... hahahaha
Beijo

November 20, 2008 6:01 PM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home