Wednesday, September 22, 2010

Soneto da Mudança de Estação


© Nathan de Castro


A tarde me conduz a um novo verso
e pra mudar o tom da sinfonia
escrevo este soneto sem as rimas,
para que o peito aprenda outro compasso.

Falar de amor e luas de setembro
deixa-me um vento frio de esperança
e quando o verso vem todo acertado,
não acontecem sóis de primavera.

Silêncio dos pardais... Chegou a noite
e o sorriso da amada não responde
o verso apaixonado do poeta,

que já fugiu das páginas do inverno,
mas tem na face as marcas e os estragos
das sombras agourentas dos agostos.

1 Comments:

Anonymous Flor de outono said...

Oi, Nathan! são versos são um luxo, dá gosto de ler e reler.
Um abraço.

December 07, 2010 4:45 AM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home