Sunday, July 18, 2010

Soneto do Amor Eterno


© Nathan de Castro

Hei de falar de amor, porque de amor
eu sobrevivo à luz de cada dia...
E de tanto rimar amor com dor,
já me entreguei aos lábios da poesia.

Hei de escrever as lágrimas da flor...
De orvalhos bebo a paz da melodia
e canto, pois meu canto tem o pôr-
de-sol mais belo ao sol da fantasia.

Hei de cantar as músicas da estrela,
e até que o verso morra, eu quero vê-la
dormindo em meus momentos de cetim...

Mas se a canção pintar outra aquarela,
a noite escreverá nova janela
e o encanto há de acordar noutro jardim.

7 Comments:

Blogger Elainesartori said...

Querido Poeta,
voc~e não imagina como gosto de seus poemas, este soneto é simplesmente maravilhoso.
Obrigada por compartilhar comigo.
Tenha uma semana serena.
Beijos com minha admiração.

July 18, 2010 9:51 PM  
Blogger Jade said...

Nathan
Que bom que seu poeta reapareceu (de verdade?) sustentando seu olhar na direção da poesia.
É este o seu caminho perfeito.
Jade

July 19, 2010 8:36 AM  
Blogger Moça dos Ventos said...

Lindo Nathan!
Que bom te ler novamente!
Os admiradores da sua alma estao com saudades destes leves e belos poemas!

July 19, 2010 3:15 PM  
Blogger Adrikarsil said...

Que lindo seu poetar e o mais lindo é falar de amor.
Eu hei de morrer de tanto amar e se assim for morrerei nos braços do meu amor falando de amor. Bjs poéticos com sabor de rimas Adrikarsil(Malukinha)

July 19, 2010 3:56 PM  
Anonymous ThaleZ said...

Belo soneto! rimas otimas!

http://wwwthalesveleno.blogspot.com/

esse e meu blog,se poder de uma olhasa!

July 24, 2010 5:53 AM  
Blogger Lucimar Justino said...

Belíssimo soneto! Gostei do seu blog, meu caro!

August 28, 2010 1:37 PM  
Blogger Reflexo d Alma said...

Puxa...
que belo.
Lembrou Neruda,

March 09, 2011 3:54 PM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home