Tuesday, July 13, 2010

Lápis de Esperança


Nathan de Castro

Andarilho-burguês passei o tempo,
sem tempo para o tempo aproveitar.
O tempo era pretexto e contratempo
que não deixava tempo pra sonhar.

Os amores ficaram pela estrada
da poeira do tempo de entender,
nos olhares da Estrela perfumada,
a imensidão do tempo de viver.

Hoje, quando no céu a nuvem passa
carregada, procuro uma caneta
para escrever um verso que me faça

voltar aos velhos tempos da criança
que enxergava com olhos de poeta
e escrevia com lápis de esperança.

4 Comments:

Blogger Mila said...

"Hoje, quando no céu a nuvem passa
carregada, procuro uma caneta
para escrever um verso que me faça

voltar aos velhos tempos da criança
que enxergava com olhos de poeta
e escrevia com lápis de esperança"

Contemplei-me nessas estrofes com belos versos...
Parabéns!
Bjs
Mila Lopes

July 13, 2010 4:31 PM  
Blogger Eloah Borda said...

Olá, Nathan, há quanto tempo! Eu também andei sumida (problemas pessoais), mas já estou tentando retornar ao meus espaços virtuais. Lindo teu soneto, muito lindo mesmo! Posso postá-lo no meu blog de sonetos?
Abraço.
Eloah

July 14, 2010 11:59 AM  
Blogger Sonetos & Rabiscos said...

Olá, Eloah!
Obrigado pelo comentário. Pode postar, sim, amiga.
Abraço,

July 14, 2010 12:37 PM  
Blogger Moça dos Ventos said...

Lindo Nathan!

July 19, 2010 3:17 PM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home