Monday, August 21, 2006

Soneto Passarinho


© Nathan de Castro


Meus versos bem-te-vis pardal chocou,
e bem que eu vi no ninho um tico-tico
que guardava a poesia no seu bico,
como quem guarda o sonho que encontrou.

Meus versos sabiás, — mamão maduro —
comida de sanhaços e rolinhas
nos pomares -sonetos de "abobrinhas"
que arranco do meu lado mais escuro.

Meus versos pica-paus de bananeira
que já deu flor e frutos aos poetas
canários, curiós e beija-flores,

procuram descrever de outra maneira,
sem nem pensar se as formas são corretas
ou se a poesia exige novas cores.

2 Comments:

Anonymous MARCELO FINHOLDT said...

AH RÁ!!!

Que bom ser encontrado por um amigo sonetista. Ah... quanto tempo? Há quanto tempo o estilo está "fora de moda"? Talvez seja justamente este aspecto o grande esteio mantenedor da novidade que ainda é o soneto em suas possíveis variações permitidas.
Estou encantado com seus poemas meu amigo poeta! Gosto muito da natureza e sempre estou em contacto com ela, mesmo nas cidades procuro pela mesma.
Elejo este soneto, mas os outros são infinitamente bons também. Juntamente aos textos em prosa.
Obrigado e mantenha contato amigão!
Um abraço e... vivamos cada vez mais a vida, e a poesia que ilumina
nós poetas e as pessoas ao nosso redor, estas que nos fazem ser assim. Elas sim, tem todo a beleza e o valor. Nós? Nós somos apenas o veículo, nada mais.
Forte abraço e força sempre.

August 24, 2006 4:42 PM  
Anonymous MARCELO FINHOLDT said...

ERRATA!!!
"estas que nos faz ser assim."


ehehehehe
abraços.

August 24, 2006 4:45 PM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home