Saturday, August 12, 2006

Soneto Para o Meu Pai


© Nathan de Castro


Os óculos, ponteiros e as imagens
gravadas mostram ruas e igrejas.
De bicicleta, a pé, suas pelejas:
viagens, rios, serras e paisagens.

Cascalhos e poeira, tantas cores,
estradas, vilarejos, natureza.
Seus mapas espalhados sobre a mesa:
cantigas pra ninar poesia e flores.

Homem de fé e amigo das estrelas,
histórias da mãe Terra me contou
com tanta precisão, que pude vê-las.

Vivê-las quis e o sonho me encantou.
Se hoje eu passo a vida a absorvê-las,
é que aprendi o amor que ele ensinou.

2 Comments:

Blogger Livre Expressão da Lucilaine said...

Nathan,

Gostei muito e mostra uma infância gostosa, com um pai terno e amoroso. A homenagem é perfeita e eu acho que o amor que pais ensinam, muitas vezes demoramos a entender.
Parabéns que está muito lindo mesmo!

Lu

August 13, 2006 6:34 PM  
Anonymous Anonymous said...

Nathan,

Gostei da maneira simples e bela
com que você fala da infância e
do amor paterno.
Parabéns, a homenagem é perfeita
e justa, pois é através de nos-
sos pai que aprendemos como li-
dar com as dificuldades da vida,
são eles que nos ensinam a ven-
cer obstáculos e é também deles
que herdamos e carregamos a nos-
sa essência e princípios.

Lêida França

August 17, 2006 4:14 PM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home