Friday, August 11, 2006

Soneto Breve


© Nathan de Castro


É breve o tempo e a música que toca
na brisa das manhãs de passarinhos,
soprando esta vontade dos caminhos
do corpo, e o beijo doce em tua boca.

É breve este soneto em desalinhos
que a mão do acaso afaga e não retoca
e o verso aceita o risco que provoca
delírios nas canções dos nossos linhos.

Silêncio nos lençóis. Ficaram marcas,
a frase, o porto e a aurora apaixonada
brincando nas paixões da madrugada.

Não sei quando partiram nossas barcas,
só sei da eternidade da alvorada
que acende esta saudade e a passarada.

1 Comments:

Anonymous Márcia Píramo said...

O blog como um todo é uma viagem intimista e de uma riqueza interior admirável.

Mas este, especialmente, me transporta...

Parabéns, Nathan, vou passar por aqui mais vezes!

September 24, 2006 3:40 AM  

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home