Monday, August 07, 2006

Tiziu


© Nathan de Castro


Passarinho preto de cantiga chata,
vive a repetir a mesma ladainha.
Dá um pulo, bate as asas e arremata
o trinado triste da canção que é minha.

Por direito insisto: — Esse verso é meu!
Verso-plágio é crime que resolvo a bala.
Faça-me o favor, sua cantiga encheu,
por que não imita o pavão de bengala?

Deixe que as paixões e rimas repetidas
destes ternos pretos de tristezas mil,
sejam sempre os mantos das minhas feridas.

Desfile vaidades, nunca mais, Tiziu.
Vista novas roupas, todas coloridas,

e aproveite os ventos nos céus do Brasil.

0 Comments:

Post a Comment

Links to this post:

Create a Link

<< Home